Dieta e risco de artrite reumatoide

L&A ATUALIZAÇÕES

Em um novo estudo publicado no Annals of Rheumatic Disease, Hu e colaboradores usaram os extensos dados do  Nurses ‘Health Study para investigar o papel da dieta no risco de artrite reumatoide (AR).

Das mais de 76.000 mulheres do estudo prospectivo, mais de 1000 tinham AR confirmada. Os autores do estudo avaliaram o papel de “padrões alimentares saudáveis” antes do diagnóstico de AR, onde a ingestão de alimentos foi inicialmente avaliada por um questionário de freqüência alimentar que avalia a ingestão de uma variedade de itens.

Os dados do questionário de freqüência alimentar foram utilizados para calcular o Índice Alternativo de Alimentação Saudável Alternativo (Alternate Healthy Eating Index) de 2010, no qual um escore elevado foi associado a um risco reduzido para diversas doenças crônicas. Esse escore elevado inclui uma dieta rica em frutas, vegetais e grãos integrais; consumo modesto de álcool; e baixa ingestão de carne vermelha.

De um modo geral, um padrão de alimentação saudável, caracterizado por um escore elevado do Índice de Alimentação Saudável Alternativo, foi associado a um risco não significativo de AR. No entanto, em análises que foram ajustadas para uma variedade de fatores, incluindo índice de massa corporal (IMC) e tabagismo, uma dieta mais saudável foi associada a um risco significativamente reduzido de AR em mulheres cujo início da doença ocorreu aos 55 anos de idade ou menos e em particular para as mulheres daquela faixa etária que desenvolveram AR soropositiva. Além disso, de todos os itens avaliados, moderada ingestão de álcool e menor ingestão de carne vermelha foram mais associados com redução do risco de AR.

O que os achados significam clinicamente

Há um conhecimento crescente de que os fatores de risco para a AR provavelmente estão agindo muito antes do início inicial da sinovite que é clinicamente classificável como AR. Os resultados deste estudo sugerem que uma dieta mais saudável antes do desenvolvimento da AR está associado a um risco reduzido para AR soropositiva, especialmente em mulheres que têm início de doença antes dos 55 anos de idade.

Esses achados, juntamente com outros estudos em que fatores como menor IMC, elevada ingestão de ácidos graxos e modesto consumo de álcool foram associados com risco reduzido para AR, sugerem que existe uma ligação fisiopatológica entre os fatores dietéticos / estilo de vida e AR. Na verdade, neste novo estudo, Hu e colegas descobriram que o consumo moderado de álcool e menor IMC estavam associados com risco reduzido de AR.

Uma vez que a relação mais marcante entre a dieta e a redução do risco de AR no estudo de Hu e colaboradores foi observada na AR soropositiva de início mais jovem, é curioso como a dieta pode se relacionar especificamente com o desenvolvimento deste subtipo de doença. Além disso, dado o surgimento de vários ensaios clínicos para a prevenção da AR, resta saber quais intervenções dietéticas específicas podem alterar o risco para o desenvolvimento da AR. Logo, poderiam as alterações dietéticas alterar o risco de progressão para a AR de indivíduos que já estão em alto risco para esta doença com base em elevados títulos circulantes de autoanticorpos relacionados à AR?

Esperemos que estudos prospectivos possam ajudar a resolver essas questões, e que em breve, juntamente com possíveis intervenções farmacológicas, teremos dados convincentes para apoiar o uso de mudanças judiciosas na dieta e no estilo de vida para reduzir o risco de AR.

Texto publicado no Medscape

 

[wp-svg-icons icon=”pushpin” wrap=”h3″]

Não deixe de ler também: 

artrite-reumatoide

 

O que é artrite reumatoide, quais os sintomas e como é o tratamento? 

 

A Loyola e Avellar possui profissionais capacitados e tem como objetivo cuidar da saúde e bem-estar de seus pacientes.  Agende sua consulta agora mesmo:  https://loyolaeavellar.com.br/clinica/contato/ ou 41.3076-3054

Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca CRM-PR 24-812

 

Dr. Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca – Reumatologista