Valva aórtica bicúspide: o que é, sintomas e tratamento

Você sabia que a válvula aórtica bicúspide é o defeito cardíaco congênito mais comum e atinge 2% da população? Nesse post você vai conhecer um pouco mais dessa condição cardíaca.

O que é uma válvula aórtica bicúspide?

Uma válvula aórtica bicúspide (VAB) é uma variação anatômica da válvula aórtica, que está localizada entre o ventrículo esquerdo do coração e a aorta. Normalmente, a válvula aórtica tem três folhetos (tricúspide), mas em algumas pessoas, ela pode ter apenas dois folhetos (bicúspide). Isso é uma das variações anatômicas mais comuns do coração humano.

Para entender as possíveis complicações da valva aórtica bicúspide é interessante compreender como funciona uma válvula aórtica normal. As cúspides da válvula aórtica abrem e fecham para regular o fluxo sanguíneo entre o coração e a aorta. Essas abas garantem que o sangue rico em oxigênio flua na direção certa: do coração para a aorta. Eles evitam que o sangue flua de volta para o coração. Os folhetos devem abrir amplamente para permitir que o sangue flua para fora do coração e depois fechar com segurança.

A válvula aórtica bicúspide pode funcionar adequadamente por muitos anos sem causar sintomas. No entanto, em alguns casos, ela pode levar a complicações, como estenose aórtica (estreitamento), insuficiência aórtica (vazamento), aneurisma ou endocardite infecciosa.

A válvula aórtica bicúspide é comum?

Esta condição é relativamente comum, sendo uma das anomalias cardíacas congênitas mais frequentes. Estima-se que a válvula aórtica bicúspide afete cerca de 1 a 2% da população em geral. É mais comum em homens do que em mulheres e pode estar associada a outras malformações congênitas do coração.

A válvula aórtica bicúspide é grave?

Cerca de 1 em cada 3 pessoas com válvula aórtica bicúspide desenvolve complicações. Desse modo, as pessoas diagnosticadas com doença da válvula aórtica bicúspide precisam de exames cardiológicos periódicos

Dentre as possíveis complicações destacamos:

Calcificação e Estenose: A complicação mais frequentemente encontrada na válvula aórtica bicúspide. A estenose aórtica calcificada da VAB se manifesta aproximadamente 10 anos antes do que a estenose aórtica senil.

Insuficiência aórtica: Em alguns casos pode evoluir com regurgitação aórtica e a gravidade vai depender de fatores como grau de calcificação da válvula ou aortopatia associada.

Endocardite Infecciosa: A VAB é um fator de risco importante para endocardite infecciosa. 

Aortopatia: Um número significativo de pessoas afetadas pela VAB sofre de dilatação progressiva da aorta ascendente devido a mudanças degenerativas da túnica média (camada mais espessa da artéria).

Dissecção Aórtica e Morte Súbita: A aortopatia em pacientes com VAB apresenta maior risco de dissecção e morte súbita. A degeneração  da túnica média com dilatação progressiva da aorta pode levar a rasgo íntimo, dissecção e ruptura externa.

Quais são os sintomas de uma válvula aórtica bicúspide?

Você pode não ter nenhum sintoma inicialmente. No entanto, com o tempo,  pode desenvolver sintomas decorrentes das complicações.  

Desmaio (síncope): Pode ocorrer desmaio ou tontura, especialmente durante o exercício ou esforço físico, devido à obstrução do fluxo sanguíneo para o corpo.

Dor no peito: Alguns pacientes podem experimentar dor no peito, principalmente durante o exercício, que pode ser um sintoma de angina (falta de suprimento sanguíneo para o coração). (Veja também – Dor no Peito: confira suas causas, diagnóstico e tratamento)

Falta de ar (dispneia): A dispneia pode ocorrer devido ao acúmulo de líquido nos pulmões (edema pulmonar) causado pela insuficiência cardíaca.

Palpitações: Algumas pessoas podem sentir palpitações cardíacas, que são sensações de batimentos cardíacos rápidos, fortes ou irregulares. (Palpitação cardíaca: Causas, sintomas e tratamento)

Fadiga: Fadiga ou fraqueza inexplicável pode ocorrer devido à diminuição do fluxo sanguíneo para o corpo

É importante notar que os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, e algumas pessoas com válvula aórtica bicúspide podem não apresentar nenhum sintoma. Se você suspeitar que tem uma válvula aórtica bicúspide ou estiver experimentando sintomas relacionados, é fundamental consultar um médico para um diagnóstico e tratamento adequados

O que causa uma válvula aórtica bicúspide?

A VAB é uma condição congênita originada por anormalidades no desenvolvimento embrionário da valva aórtica. Durante o desenvolvimento embrionário, a valva aórtica bicúspide  surge devido à fusão das cúspides valvares, que normalmente se desenvolveriam em três cúspides distintas na valva aórtica. Desse modo, essa fusão resulta na formação de apenas duas cúspides, sendo que uma delas pode parecer dividida em duas partes por uma estrutura chamada raphe.

Além de ser uma condição congênita, sabe-se que a válvula aórtica bicúspide é uma  malformação geneticamente determinada.  Cerca de 9% dos indivíduos com valva aórtica bicúspide  possuem histórico familiar da condição. Isso sugere que a herança da VAB segue um padrão autossômico dominante, mas com uma penetração reduzida. Em vista disso, é aconselhável que parentes de primeiro grau passem por triagens médicas para detectar possíveis casos de VAB e outras condições relacionadas.

Como é feito o diagnóstico da válvula aórtica bicúspide?

O diagnóstico da válvula aórtica bicúspide (VAB) geralmente envolve uma combinação de história clínica, exame físico e exames de imagem.

Exame físico: Durante um exame físico de rotina, um médico pode detectar um sopro cardíaco anormal ao ouvir o coração com um estetoscópio. Esse sopro pode indicar um problema com a válvula aórtica, incluindo uma válvula aórtica bicúspide.

Ecocardiograma: Este é o exame de escolha para diagnosticar uma VAB. Ele usa ondas sonoras para criar imagens do coração em tempo real. Um ecocardiograma pode mostrar a estrutura e o funcionamento das válvulas cardíacas, permitindo que o médico identifique uma válvula aórtica bicúspide.

Ecocardiograma Transesofágico: Em casos selecionados , realiza-se um ecocardiograma transesofágico para obter imagens mais detalhadas da válvula aórtica e das estruturas adjacentes. Isso envolve inserir uma sonda pela garganta até o esôfago para obter imagens mais próximas do coração.

Ressonância Magnética Cardíaca (RMC): A RMC pode fornecer informações detalhadas sobre a anatomia cardíaca, incluindo a válvula aórtica, e pode ser útil em casos mais complexos.

Tomografia Computadorizada (TC) Cardíaca: Em alguns casos, realiza-se uma TC cardíaca para avaliar a anatomia cardíaca em detalhes. Nesse sentido, isso pode ser especialmente útil para planejar procedimentos cirúrgicos, se necessário.

Dependendo da situação clínica específica de um paciente e da disponibilidade de recursos, utilizamos um ou mais desses métodos de diagnóstico para diagnosticar uma válvula aórtica bicúspide. Por conseguinte, o tratamento e o acompanhamento adequados podem ser recomendados pelo médico cardiologista.

Qual é o tratamento para uma válvula aórtica bicúspide?

O tratamento para a  válvula aórtica bicúspide depende da gravidade da doença valvular cardíaca. Mas cerca de 4 em cada 5 pessoas com doença valvar aórtica bicúspide necessitam de cirurgia valvular aórtica.  O tratamento dependerá da condição da válvula aórtica e da aorta. Mas o seu médico também considerará a saúde geral do coração, a idade e outras condições médicas.

É importante fazer a cirurgia com antecedência suficiente para evitar danos permanentes ao coração. Mesmo que você não tenha sintomas, seu médico pode indicar a cirurgia para  prevenir complicações no futuro. O melhor momento é diferente para cada pessoa. 

Medicamentos

Não existem medicamentos para reparar uma válvula aórtica bicúspide. Mas alguns medicamentos podem ser usados para tratar os sintomas causados por doenças associadas, como hipertensão arterial e arritmias.

Cirurgia e outros procedimentos

Se a válvula aórtica bicúspide estiver causando sintomas graves ou se houver complicações como estenose (estreitamento) ou regurgitação (fluxo sanguíneo retrógrado), pode ser necessária arealização de procedimento cirúrgico. Isso pode ser feito por meio de cirurgia aberta ou, em alguns casos selecionados, por meio de técnicas menos invasivas, como a substituição da válvula aórtica por cateter.

Substituição da válvula aórtica

 O cirurgião remove a válvula danificada e substitui por uma válvula mecânica ou feita de tecido cardíaco de vaca, porco ou humano. A válvula de tecido é chamada de válvula biológica. 

Às vezes, a válvula aórtica é substituída pela válvula pulmonar da própria pessoa. A válvula pulmonar é substituída por uma válvula de tecido pulmonar de um doador falecido. Este procedimento chamamos de Cirurgia de Ross. Este procedimento pode ser uma boa opção para pessoas com menos de 50 anos que desejam evitar o uso prolongado de anticoagulantes.

Válvula biológica ou mecânica?

Válvula biológica. Utilizamos esse tipo de válvula em 80% das vezes. É feito de tecido de porco ou vaca. Esta válvula é segura e durável. Mas depois de dez anos, você pode precisar de outra cirurgia de substituição.

Válvula mecânica. Este tipo de válvula é mais resistente e pode durar o resto da vida. Mas você precisa tomar anticoagulantes durante toda a vida para mantê-lo funcionando com segurança.

Muitas pessoas preferem uma válvula biológica para não precisarem tomar anticoagulantes. Mas depende da sua idade, outras condições médicas e preferências pessoais. Seu médico discutirá as opções e ajudará a decidir o que é melhor para você.

Plastia da válvula aórtica 

O reparo da válvula aórtica corrige sua válvula sem substituí-la e pode ser uma boa opção para regurgitação aórtica. Além disso, o reparo da válvula aórtica muitas vezes pode ser feito através de uma cirurgia minimamente invasiva. O cirurgião realizará a plastia das cúspides da válvula aórtica para ajudá-las a abrir e fechar de forma adequada.

Cirurgia da raiz da aorta e aorta ascendente

Os cirurgiões removem a porção dilatada da aorta localizada perto do coração e substituem por um tubo sintético (enxerto). Este tubo é costurado no lugar. Às vezes, remove-se apenas a porção aneurismática da aorta e a válvula aórtica permanece. A válvula aórtica também pode ser substituída ou reparada durante este procedimento.

Valvoplastia com balão

Este procedimento pode tratar a estenose da válvula aórtica em bebês e crianças. Em adultos, a válvula aórtica tende a estreitar-se novamente após o procedimento. Portanto, geralmente só é feito se você estiver muito doente para uma cirurgia ou se estiver aguardando uma troca de válvula.

TAVI

O implante transcateter da válvula aórtica  é um procedimento inovador e não cirúrgico de substituição da válvula usado para pacientes bem selecionados com válvula aórtica bicúspide e estenose aórtica. (Confira: Implante de válvula aórtica transcateter (TAVI) – O que você precisa saber?)

Quais são os riscos da cirurgia?

Normalmente, as cirurgias valvares quando bem indicadas  apresentam baixo risco de complicações. Desse modo, cerca de 98% das pessoas que fazem cirurgia valvar sobrevivem e têm uma expectativa de vida normal. Mas os possíveis riscos incluem:

  • Infecção da ferida operatória ou mediastinite
  • Coágulos de sangue
  • AVC
  • Arritmia (temporária)
  • Função renal reduzida (temporária)

Qual é a expectativa de vida de alguém com válvula aórtica bicúspide?

Se você tem uma válvula aórtica bicúspide, pode viver tanto quanto alguém sem essa condição. Mas você precisa de acompanhamentos e testes regulares com seu médico. Seu médico verificará sua válvula e garantirá que você receba tratamento quando necessário. O tratamento é essencial para evitar complicações.

Cardiologista – Curitiba

A Loyola e Avellar possui profissionais capacitados e tem como objetivo cuidar da saúde e bem-estar de seus pacientes.  Agende sua CONSULTA ou TELECONSULTA agora mesmo:   41.3076-3054 ou whatsapp

Dr. Alexandre L. S . Avellar Fonseca – Cardiologista