Ataque cardíaco em multeres

Infarto em mulheres: sintomas, cuidados e o que fazer.

As doenças cardíacas são a maior causa de morte em mulheres no Brasil

As doenças cardíacas, como o infarto do miocárdio, são frequentemente consideradas um problema maior para os homens. No entanto, é a causa mais comum de morte para mulheres e homens no Brasil. E como alguns sintomas de infarto nas mulheres podem ser diferentes dos homens, as mulheres muitas vezes acabam não procurando uma avaliação cardiológica.

Felizmente, ao reconhecer os sintomas específicos do infarto, as mulheres podem começar a reduzir esses riscos.

Sintomas de infarto em mulheres

Tal como acontece com os homens, o sintoma de infarto agudo do miocárdio mais comum nas mulheres é dor ou desconforto no peito. Geralmente, esta é caracterizada por dor torácica opressiva que dura mais do que alguns minutos. Mas a dor no peito nem sempre é forte ou mesmo o sintoma mais importante.  As mulheres, por exemplo,  têm maior probabilidade do que os homens de apresentar sintomas não relacionados à dor no peito, como:

  • Desconforto no pescoço, mandíbula, ombro, parte superior das costas ou abdominal
  • Falta de ar
  • Náusea ou vômito
  • Dor em um ou ambos os braços
  • Sudorese
  • Tontura
  • Fadiga 

Esses sintomas podem ocorrer porque as mulheres tendem a ter obstruções não apenas em suas artérias principais, mas também nas menores que fornecem sangue ao coração – uma condição chamada doença cardíaca de pequenos vasos ou doença microvascular coronariana.

Como as mulheres nem sempre reconhecem seus sintomas como os de um ataque cardíaco, elas tendem a aparecer nos pronto-socorros mais tardiamente. Consequentemente, isso pode levar a complicações cardíacas maiores.

As mulheres têm fatores de risco que os homens não têm.

Certas doenças que afetam apenas as mulheres, como endometriose, doença dos ovários policísticos, diabetes e hipertensão que se desenvolvem durante a gravidez, aumentam o risco de doença arterial coronariana, a principal causa de infarto. Por exemplo, foi constatado que a endometriose aumenta o risco de desenvolver DAC em 400% em mulheres com menos de 40 anos.

Além disso, as mulheres também compartilham fatores de risco tradicionais com os homens: pressão alta, diabetes, colesterol elevado, tabagismo e obesidade.  Abaixo descreveremos alguns dos principais  fatores de risco:

Diabetes

As mulheres com diabetes têm maior probabilidade de desenvolver doenças cardíacas do que os homens com diabetes. Além disso, como o diabetes pode mudar a maneira como você sente dor, você corre um risco maior de sofrer um infarto silencioso.

Tabagismo

Fumar é um fator de risco maior para doenças cardíacas nas mulheres do que nos homens.

Sedentarismo

A falta de atividade física é um importante fator de risco para doenças cardíacas. Algumas pesquisas descobriram que as mulheres são menos ativas do que os homens.

Estresse mental e depressão

O estresse e a depressão afetam mais o coração das mulheres do que dos homens. A depressão torna difícil manter um estilo de vida saudável e seguir o tratamento recomendado.

Menopausa

Os baixos níveis de estrogênio após a menopausa representam um risco significativo de desenvolvimento de doenças em vasos sanguíneos menores.

Complicações na gravidez

A hipertensão ou diabetes durante a gravidez podem aumentar o risco da mãe de desenvolver hipertensão e diabetes posteriormente. Consequentemente, essas condições também aumentam a probabilidade de as mulheres desenvolverem doenças cardíacas.

História familiar de doença cardíaca precoce

Este parece ser um fator de risco maior nas mulheres do que nos homens.

Doenças inflamatórias

Artrite reumatóide, lúpus e outras doenças auto-imunes que são mais prevalentes em mulheres,  podem aumentar o risco de doenças cardíacas.

O infarto ocorre apenas em mulheres mais velhas?

Não. Mulheres de todas as idades devem  ficar atentas. Especialmente aquelas com histórico familiar ou com fatores de risco para infarto do miocárdio.

As mulheres geralmente são mais velhas quando têm seu primeiro infarto?

O estrogênio oferece às mulheres alguma proteção contra doenças cardíacas até depois da menopausa, quando os níveis de estrogênio caem. É por isso que a incidência de infarto nas mulheres aumenta após os 65 anos. Já nos homens esse aumento ocorre após os 55 anos. 

O que as mulheres podem fazer para reduzir o risco de infarto?

Seja você homem ou mulher, nunca é tarde para se cuidar.. Aqui estão algumas orientações para reduzir a chance de ter um infarto:

Pare de fumar. Parar de fumar é uma das mudanças com mais impacto na redução do risco de infarto. Além disso, tente evitar a exposição ao fumo passivo, que também pode danificar os vasos sanguíneos.

Pratique exercícios regularmente. Em geral, todos  devem realizar atividade física regular. Por isso, orientamos a prática de pelo menos 150 min por semana de atividade aeróbica.

Mantenha o peso adequado. Cuide do seu peso pois o sobrepeso e obesidade aumentam o risco de eventos cardíacos. Se você está acima do peso, converse com seu médico. Perder alguns quilos vai fazer bem ao seu coração..

Alimentação saudável. Como todos já sabem, a alimentação saudável é fundamental para uma boa saúde do coração. Faça uma dieta rica em frutas, vegetais, grãos inteiros e pobre em produtos de origem animal, carboidratos simples e alimentos processados.

Evite o estresse. O estresse pode fazer com que suas artérias se contraiam, o que pode aumentar o risco de doenças cardíacas, principalmente doenças microvasculares coronárias.

O tratamento para doenças cardíacas nas mulheres é diferente do dos homens?

Em geral, o tratamento de doenças cardíacas em mulheres e homens é semelhante. Pode incluir medicamentos, angioplastia e implante de stent ou cirurgia cardíaca.

As mulheres têm menos probabilidade de receber prescrições de terapia com estatinas para prevenir futuros ataques cardíacos do que os homens. No entanto, estudos mostram que os benefícios são semelhantes em ambos os grupos. A angioplastia e o implante de stent, tratamentos comumente usados ​​para ataques cardíacos, funcionam tanto para homens quanto para mulheres. Mas para a cirurgia de revascularização do miocárdio, as mulheres têm maior probabilidade de complicações do que os homens.

A reabilitação cardíaca pode melhorar a saúde e ajudar na recuperação de doenças cardíacas. Entretanto, as mulheres têm menos probabilidade de serem encaminhadas para reabilitação cardíaca do que os homens.