Lesão não cariosa

Cárie ou lesões cervicais não cariosas?

Você já ouviu falar em lesões cervicais não cariosas? Nos últimos anos, temos observado um grande aumento na prevalência de lesões cervicais não cariosas, sendo um achado comum na rotina da prática clínica.

As consequências que estas lesões podem trazer para você variam desde sensibilidade, acúmulo de biofilme (placa) no local da lesão, comprometimento da estética, podendo até mesmo progredir para danos pulpares.

Os dentes mais afetados com essas lesões são os pré-molares da arcada superior, e estas são mais prevalentes na população acima dos 30 anos. Quanto mais velha a população, maior o número de lesões e maior a profundidade delas.

E o que são as lesões cervicais não cariosas?

A lesão cervical não cariosa é a perda irreversível da estrutura dentária no terço cervical do dente (região da face do dente mais próxima da gengiva).

De acordo com a odontologia estética, elas podem ser classificadas como: erosão, abrasão e abfração, tendo diferenças entre si e no seu diagnóstico, e podem aparecer separadas ou associadas.

As lesões cervicais não cariosas provocadas por abrasão, são causadas, por exemplo, por uma escovação inadequada fazendo uma força exagerada. A abfração é ocasionada quando existe uma oclusão inadequada. Já a erosão dental é definida como a perda de estrutura dental causada pela ação química tanto extrínseca (consumo de alimentos ácidos como refrigerantes e cítricos) quanto intrínseca (pacientes com refluxo ou bulimia).

Quais são as causas das lesões não cariosas?

Como o próprio nome já diz, a causa desta lesão não é de origem bacteriana. Um consenso na literatura define a causa da lesão como multifatorial, podendo estar relacionada à tensão, fricção e biocorrosão ou a associação entre esses fatores. As dietas ácidas, bruxismo, transtornos alimentares, ansiedade, entre outros, são possíveis causas para o desenvolvimento destas lesões.

Qual é o tratamento?

O tratamento das lesões cervicais não cariosas consiste na eliminação dos fatores causais, seguido da obliteração dos túbulos dentinários. Se a lesão não apresentar uma grande profundidade, pode se optar pela utilização de vernizes de flúor assim como dessensibilizantes. Quando existe uma lesão de profundidade maior o tratamento recomendado é realizar uma restauração em resina composta.

Além disso pode ser realizada a associação de restaurações e cirurgia gengival. O procedimento cirúrgico é realizado após a restauração, acabamento e polimento, utilizando o material mais adequado de acordo com a lesão

Quando o fator etiológico é o contato prematuro, pode ser realizado ajuste oclusal e posterior restauração com resina composta. Em alguns casos, somente o tratamento ortodôntico pode realizar a remoção efetiva do trauma oclusal causada pelo contato prematuro.

Em que consiste a restauração em resina composta das lesões cervicais não cariosas?

Visto que já existe uma perda de estrutura de esmalte, não é realizado nenhum desgaste para realização dessa restauração.

A resina composta é um excelente material para restauração de lesões cervicais não cariosas. Elas se apresentam em uma grande variedade de cores e translucidez o que faz possível conseguir uma aparência estética natural e harmônica.

O conhecimento da etiologia dessas lesões é importante para prevenir o desenvolvimento de novas lesões e interromper a progressão de lesões já existentes.

Ficou com alguma dúvida? Marque uma consulta para avaliar o seu caso!

Odontologia – Curitiba

Somos especialistas em Odontologia Estética, Ortodontia e Ortopedia Facial, Disfunção da ATM, Bruxismo e Dor Orofacial. Agende já seu horário: 41.3076-3054 ou por whatsapp.

Dra. Brenda Sanchez Leyton – Especialista em Dentística Restauradora, mestre e doutoranda em clínica odontológica com ênfase em Dentística