dor-no-peito-o-que-pode-ser-loyola-e-avellar-reumatologista-curitiba

Dor no Peito – confira suas causas, diagnóstico e tratamento

A dor no peito é uma queixa muito comum e um dos principais motivos que levam as pessoas ao pronto-socorro. Ela se manifesta de formas diferentes variando de intensidade, tipo, localização e duração. Às vezes, a dor no peito é leve, levando a uma sensação de desconforto inespecífico ou dor tipo pontada, mas também pode se manifestar como dor  opressiva/aperto ou queimação/ardência de forte intensidade. Além disso, pode vir associada a dores nas costas, nos braços  pescoço, mandíbula e parte superior do abdômen. 

Freqüentemente, a causa não está relacionada com o  coração – apesar de não haver uma maneira fácil de saber sem consultar um médico. Por isso,  é fundamental  determinar a causa da dor torácica para consequentemente tratar da forma correta..

Quais são a causas de dor no peito?

A dor no peito tem várias causas, e todas precisam de atenção médica. Mas aprender a reconhecer quando  dor no peito deve ser tratada como uma emergência médica e quando deve ser tratada ambulatorialmente pode ajudar a prevenir complicações graves no futuro.

Causas relacionadas ao coração

A dor no peito relacionada ao coração muitas vezes pode estar acompanhada por falta de ar e palpitação cardíaca . Dentre as causas incluem:

1- Angina

Angina refere-se a dor no peito que é desencadeado por uma redução do fluxo sanguíneo para o coração. Geralmente é causado pelo acúmulo de placas de gordura nas paredes internas das artérias que transportam sangue para o coração. Essas placas estreitam as artérias e restringem o suprimento de sangue ao coração, principalmente durante o esforço.

A angina pode se manifestar como uma sensação de pressão no peito, queimação ou como se seu coração estivesse sendo apertado. Além disso, pode se manifestar com sintomas atípicos como: falta de ar (principalmente nos esforços), dor na parte superior do abdômen, dor no pescoço ou membro superior esquerdo

Às vezes, a angina é confundida com um infarto agudo do miocárdio. Ao contrário de um infarto, a angina não causa danos permanentes ao músculo do coração.

2- Infarto agudo do miocárdio

O infarto agudo do miocárdio geralmente se manifesta como uma dor no peito aguda opressiva ou tipo aperto de moderada a forte intensidade. É resultante do bloqueio do fluxo sanguíneo, geralmente de um coágulo sanguíneo, para o músculo cardíaco. Outros sintomas que podem estar associados incluem: falta de ar, sudorese fria,  náuseas e vômitos, palpitação cardíaca, sensação de nó na garganta ou de asfixia e fraqueza súbita.

O infarto é uma emergência médica e deve ser prontamente tratado para não haver complicações futuras ou até mesmo levar ao óbito.

3- Dissecção aórtica

A dissecção da aorta é caracterizada pela separação das camadas internas da principal artéria do nosso corpo: a aorta. Isso pode ser provocado por fatores como hipertensão arterial, placas de gordura nas paredes do vaso, aneurisma ou mesmo o envelhecimento natural.

Os sintomas incluem dor súbita e lancinante  no peito ou na parte superior das costas, que se irradia para o pescoço ou para a parte de baixo das costas. Além disso, podem ocorrer, ainda, perda de consciência e falta de ar.

A mortalidade da dissecção aórtica é muito alta e necessita avaliação cardiológica imediata.

4- Pericardite

É uma inflamação que acomete o pericárdio, membrana (saco fibro-seroso) que reveste externamente o coração. A dor no peito é caracterizada como uma dor aguda no centro ou no lado esquerdo do tórax, que se intensifica na inspiração ou ao deitar.

5- Miocardite

A dor no peito pode ser decorrente de uma miocardite, inflamação que ocorre no músculo cardíaco. Frequentemente, a miocardite é causada por uma infecção viral. E ela pode se manifestar como: dor leve no peito, pressão no peito, falta de ar (o sintoma mais comum), inchaço nas pernas e palpitações cardíacas

Causas relacionadas ao pulmão

A dor no peito relacionada a um problema pulmonar pode ser semelhante às doenças que acometem o coração. Na maioria das vezes deve-se a lesões nos pulmões ou problemas nas vias respiratórias. Dentre as causas destacam-se:

1- Embolia pulmonar

A embolia pulmonar (EP)  ocorre quando um trombo (coágulo de sangue) se aloja em uma artéria do pulmão, bloqueando o fluxo sanguíneo para o tecido pulmonar. Os sintomas na EP dependem da extensão da embolia. Geralmente caracteriza-se por falta de ar e dor no peito de início súbito que se intensifica com o esforço.

2- Pneumonia

A dor no peito da pneumonia geralmente começa como uma dor aguda que piora na inspiração. Está associado a outros sintomas como tosse, expectoração com catarro, febre, calafrios e perda de apetite.

3- Asma

A asma é uma doença que causa inflamação das vias respiratórias.  Os principais sintomas da asma incluem falta de ar ou dificuldades para respirar, respiração rápida e curta, tosse, sensação de aperto no peito e chiado ou assobio agudo no peito ao respirar.

4- Pneumotórax

O Pneumotórax  ocorre quando existe ar entre o pulmão e a caixa torácica. Na maioria das vezes é decorrente de um trauma mas pode ocorrer espontaneamente. Caracteriza-se por falta de ar súbita e dor no peito na respiração.

5- Hipertensão pulmonar

Essa condição ocorre quando você tem pressão alta nas artérias que transportam sangue para os pulmões, o que pode causar dor no peito.

Causas musculares e ósseas

Alguns tipos de dor torácica estão associados a lesões e outros problemas que afetam as estruturas que constituem a parede torácica, incluindo:

1- Costocondrite

A costocondrite  uma inflamação da articulação costocondral ou costosternal que causa dor localizada na região torácica anterior.  Geralmente os pacientes costumam se queixar de dor em tórax anterior, bastante intensa e bem localizada, do tipo pressão ou penetrante, que piora ao movimento,  inspiração profunda  e alivia ao repouso

2- Músculos doloridos

As síndromes de dor crônica  podem produzir dor torácica persistente relacionada aos músculos. A fibromialgia, por exemplo, é caracterizada por dor persistente e difusa pelo corpo. Essa dor pode ser descrita de várias maneiras como latejante, profunda, pontada, queimação, entre outras. Além disso, está associada com fadiga, problemas de sono, dores de cabeça e mudança de humor.

3- Lesões nas costelas

As lesões nas costelas, como as fraturas,  podem causar dor torácica intensa. Ela se caracteriza por dor que piora com a inspiração, com a mobilização do tórax e com a palpação do local. E geralmente é causada por traumas como, por exemplo, queda e acidente de carro.

Causas Digestivas

A dor no peito pode ser decorrente de problemas relacionados ao aparelho digestivo como esôfago, estômago, vesícula e pâncreas. Abaixo encontram-se as principais causas:

1- Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

A dor no peito na DRGE é caracterizada por uma sensação dolorosa de queimação atrás do osso esterno. A dor decorre do refluxo do “suco gástrico” para o esôfago, levando a uma inflamação local. Geralmente, a dor piora ao deitar e melhora ao ficar de pé, e está muitas vezes relacionada com determinados tipos de alimentos.

2- Distúrbio da motilidade do esôfago

Os transtornos da motilidade esofágica envolvem uma disfunção do esôfago que causa sintomas como disfagia (dificuldade para engolir), azia e dor torácica. As principais causas de alteração na motilidade incluem: Acalasia, Espasmo difuso do esôfago e esofagite eosinofílica.

3- Cálculo biliar ou Pancreatite

Os cálculos biliares (pedra na vesícula) ou a inflamação da vesícula biliar (colecistite) ou do pâncreas (pancreatite) podem causar dor abdominal superior que se irradia para o peito. Os sintomas geralmente são desencadeados após uma grande refeição ou alimentação gordurosa. Caso a dor abdominal permaneça por mais de uma hora ou esteja associado com vômitos febre ou alteração na cor da urina, procure uma avaliação médica com urgência.

4- Acúmulo de gases intestinais

As pessoas costumam descrever a dor no peito decorrente de gases como um aperto ou desconforto torácico. Assim como a dor, pode haver uma leve sensação de queimação ou pontada. A dor também pode ir para o abdômen. Outros sintomas de dor de gás no peito podem variar em cada caso, dependendo da causa, mas podem incluir: arrotos, inchaço abdominal, indigestão, excesso de flatulência, perda de apetite e náuseas.

Causas psicológicas/psiquiátricas

A dor no peito relacionada a problemas de saúde mental como crise de ansiedade ou ataque de pânico pode ser muito semelhante a um infarto agudo do miocárdio. A característica principal do transtorno são as crises esporádicas que duram alguns minutos e têm forte intensidade. A dor no peito pode se manifestar como uma dor aguda ou tipo aperto no meio do perto. Geralmente, está associado a falta de ar, palpitação cardíaca, náuseas, tremores, sudorese. Mas também existem sintomas psíquicos, como sensação de morte iminente, uma angustia muito grande e muito medo. As pessoas acometidas por este mal seguem um padrão longo de visitas às emergências e consultórios médicos antes do diagnóstico, à procura de uma causa orgânica para seus sintomas.

Como realizar o Diagnóstico?

Como visto anteriormente, dor no peito nem sempre indica um ataque cardíaco. No entanto, é aconselhável procurar um atendimento de emergência se você achar que pode estar tendo um infarto agudo do miocárdio e, especialmente, se sua dor no peito for nova, inexplicada, intensa ou durar mais do que alguns minutos.

O diagnóstico começa por uma história clínica detalhada e um exame físico completo. Em alguns casos, será necessário a realização de exames complementares.

Exames iniciais a serem solicitados na emergência

Eletrocardiograma (ECG)

Exame simples e rápido de ser realizado. Recomenda-se a sua realização nos primeiros 10 minutos ao dar entrada no pronto atendimento de um hospital. O ECG registra a atividade elétrica do coração e é fundamental para descartar doenças cardiológicas potencialmente fatais como o infarto agudo do miocárdio.

Exames de sangue

Os exames de sangue são importantes para elucidar a causa da dor no peito. Na suspeita de doença de origem cardíaca, solicita-se a enzima cardíaca troponina para determinar se houve injúria miocárdica. Outros exames podem ser solicitados dependendo do direcionamento do caso como: hemograma,  D-dímero (tromboembolismo pulmonar), enzimas hepáticas ou pancreáticas, prova de atividade inflamatória.

Raio-x do tórax 

Um raio-X de seu tórax permite que os médicos verifiquem a condição de seus pulmões, o tamanho e a forma de seu coração e dos principais vasos sanguíneos. Uma radiografia de tórax também pode revelar problemas pulmonares, como pneumonia ou pneumotórax.

Angiotomografia computadorizada Tórax

A tomografia computadorizada pode detectar um coágulo de sangue no pulmão (embolia pulmonar) ou garantir que você não esteja fazendo uma dissecção aórtica.

Outros exames

Dependendo dos resultados desses testes iniciais, você pode precisar de outros exames complementares, que podem incluir: ecocardiograma, tomografia computadorizada, ressonância magnética, cintilografia miocárdica, cateterismo cardíaco.

Qual o tratamento para dor no peito?

O tratamento da dor no peito será direcionado para a sua causa. Por isso, a importância de um diagnóstico correto para a terapia adequada.  A seguir, encontram-se algumas medicações e procedimentos utilizados nas diferentes causas.

Medicamentos

Os medicamentos usados ​​para tratar algumas das causas mais comuns de dor no peito incluem:

Antiplaquetários. Se os médicos suspeitarem que sua dor no peito está relacionada ao coração, provavelmente você receberá aspirina (AAS) associado a outro antiplaquetário (clopidogrel ou ticagrelor ou prasugrel).

Anticoagulantes. No caso de ter sido diagnosticado com um trombo (coágulo) nas artérias pulmonares (embolia pulmonar), será prescrito um anticoagulante subcutâneo ou oral com o intuito de inibir a coagulação de sangue e prevenir a  formação de mais trombos.

Analgésicos. Medicações analgésicas como paracetamol, dipirona, antiinflamatórios, codeína ou tramadol podem ser utilizados nos casos de dor musculoesquelética (fibromialgia, costocondrite ou trauma torácico)

Inibidores de bomba de prótons.  Fazem parte desta classe de medicamentos o omeprazol, o esomeprazol, o lansoprazol, o rabeprazol, o dexlansoprazol e o pantoprazol. Essas medicações atuam diminuindo a secreção gástrica e consequentemente a dor no peito decorrente do refluxo gástrico.

Inibidores seletivos da recaptação de serotonina. Essa classe de medicamento pode contribuir nos sintomas psicossomáticos decorrentes de um transtorno de ansiedade ou síndrome do pânico. A terapia psicológica, como a terapia cognitivo-comportamental, também pode ser recomendada.

Procedimentos invasivos ou cirúrgicos

Os procedimentos para tratar algumas das causas potencialmente graves de dor no peito incluem: 

  • Angioplastia coronariana com colocação ou não de stent no caso de obstrução de uma artéria do coração ou revascularização cirúrgica
  • Correção cirúrgica de uma dissecção de aorta
  • Drenagem de tórax em pacientes com pneumotórax
  • Realização de retirada da vesícula biliar na cólica biliar ou colecistite 

Não deixe de ler também: 

Costocondrite: sintomas causas e tratamento

Causa, diagnóstico, tratamento de costocondrite