DIABETES-LOYOLA-E-AVELLAR-CLINICA-MEDICA-CURITIBA

Diabetes Mellitus – sintomas, diagnóstico e tratamento

A diabetes mellitus refere-se a um grupo de doenças caracterizada pela dificuldade em converter glicose (um tipo de açúcar) em energia. Consequentemente, isto leva a níveis elevados de açúcar no sangue (hiperglicemia) que é prejudicial à saúde.

A glicose é vital para a saúde porque é uma importante fonte de energia para as células que constituem os músculos e tecidos. Além disso, é a principal fonte de combustível do cérebro. A glicose é proveniente dos alimentos ingeridos e é decomposta em glicose e liberada na corrente sanguínea. Quando o açúcar no sangue sobe, ele sinaliza ao pâncreas para liberar insulina. A insulina permite que o açúcar do sangue entre nas células do seu corpo para ser usado como energia. O diabetes ocorre quando seu pâncreas não consegue produzir insulina ou quando seu corpo não pode fazer uso da insulina porque se tornou resistente a ela.

A causa subjacente do diabetes varia de acordo com o tipo. Existem três tipos principais de diabetes: tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional.

Diabetes Tipo 1

Acredita-se que o diabetes tipo 1 seja causado por uma reação auto-imune (os anticorpos atacam o próprio pâncreas) que impede o corpo de produzir insulina. Isso leva a uma redução importante ou ausência de insulina. Logo, em vez de ser transportado para as células, o açúcar se acumula na corrente sanguínea.

Acredita-se que o tipo 1 seja causado por uma combinação de suscetibilidade genética e fatores ambientais, embora exatamente quais sejam esses fatores ainda não esteja claro. O peso não é considerado um fator no tipo 1. Geralmente, os sintomas se desenvolvem rapidamente e é diagnosticado em crianças, adolescentes e adultos jovens.  

Diabetes Tipo 2

No diabetes tipo 2, suas células se tornam resistentes à ação da insulina, e seu pâncreas não consegue produzir insulina suficiente para superar essa resistência. Em vez de entrar nas células, onde é necessário para obter energia, o açúcar se acumula na corrente sanguínea. Cerca de 90-95% das pessoas diabéticas têm o tipo 2.  A causa do tipo 2 está diretamente relacionado ao sobrepeso, sedentarismo e hábitos alimentares inadequados. Ela se desenvolve ao longo de muitos anos e geralmente é diagnosticada em adultos. No entanto, devido a um aumento da obesidade em todas as idades, cada vez mais o tipo 2 tem sido diagnosticado  em crianças, adolescentes e adultos jovens. 

Diabetes Gestacional

Durante a gravidez, a placenta produz hormônios para manter a gestação. Esses hormônios tornam as células mais resistentes à insulina.

Normalmente, o pâncreas responde produzindo insulina extra suficiente para superar essa resistência. Mas às vezes seu pâncreas não consegue acompanhar. Quando isso acontece, muito pouca glicose entra em suas células e muita permanece em seu sangue, resultando em diabetes gestacional.

Geralmente o diabetes gestacional desaparece depois que o bebê nasce. E é importante salientar que mulheres que apresentam diabetes gestacional têm maior risco de desenvolver diabetes tipo 2 no futuro.

Pré-Diabetes

No pré-diabetes os níveis de açúcar no sangue estão mais altos do que o normal, mas não o suficiente para ser diagnosticado como tipo 2. O pré-diabetes costuma ser o precursor do diabetes, a menos que sejam tomadas medidas apropriadas para prevenir sua progressão.  

Quais são os sintomas do diabetes ?

Os sintomas do diabetes variam dependendo do nível de açúcar no sangue. Algumas pessoas, especialmente aquelas com pré-diabetes ou com o tipo 2, provavelmente não apresentarão sintomas. No tipo 1, os sintomas tendem a aparecer rapidamente e ser mais graves.

Alguns dos sinais e sintomas de diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2 são:

  • Sede ou fome excessiva
  • Micção frequente
  • Cansaço ou letargia
  • Perda de peso inexplicada (para o tipo 1) ou ganho de peso gradual (para o tipo 2)
  • Visão embaçada
  • Feridas com cicatrização lenta
  • Infecções frequentes, como infecções gengivais ou cutâneas e infecções vaginais

Como é realizado o diagnóstico?

O Diabetes (Tipo 1 e 2) pode ser diagnosticada com base nos testes laboratoriais de glicemia como: glicose em jejum/aleatória ou o valor de 2 h de glicose no plasma durante um teste oral de 75 g de glicose (TOTG). Ou também pode ser diagnosticado nos critérios de hemoglobina glicada (A1C). Abaixo seguem os exames com seus critérios diagnósticos::

Glicemia de Jejum

Uma amostra de sangue será coletada após um período de jejum noturno. Um nível de açúcar no sangue em jejum inferior a 100 mg / dL é normal. Um nível de açúcar no sangue em jejum de 100 a 125 mg / dL é considerado pré-diabetes. Se for 126 mg / dL ou mais em dois testes separados, você tem diabetes.

Glicemia plasmática aleatória

Uma amostra de sangue será coletada em um momento aleatório. Independentemente de quando você comeu pela última vez, um nível de açúcar no sangue de 200  mg/dL ou mais sugere diabetes.

Teste de tolerância oral à glicose

Neste teste é realizado jejum durante a noite e o nível de açúcar no sangue em jejum é medido. Em seguida, ingere-se um líquido açucarado e avalia-se o nível de açúcar no sangue  com 1 hora e 2 horas. Em 2 horas, um nível de açúcar no sangue de 140 mg / dL ou inferior é considerado normal, 140 a 199 mg / dL indica que você tem pré-diabetes e 200 mg / dL ou mais indica que você tem diabetes..

Teste de hemoglobina glicada (A1C) 

O teste A1C, que não requer jejum,  avalia o nível médio de açúcar no sangue nos últimos 2 ou 3 meses. Este exame de sangue, que não requer jejum , mede a porcentagem de açúcar no sangue ligado à hemoglobina, a proteína transportadora de oxigênio nas células vermelhas do sangue.

 Um A1C abaixo de 5,7% é normal, entre 5,7 e 6,4% indica que você tem pré-diabetes e 6,5% ou mais indica que você tem diabetes.

Ao usar A1C para diagnosticar diabetes, é importante reconhecer que esta é uma medida indireta dos níveis médios de glicose no sangue e levar em consideração outros fatores que podem afetar a glicação da hemoglobina independentemente da glicemia, incluindo o tratamento do HIV, idade, raça/etnia, gravidez, antecedentes genéticos e anemia/hemoglobinopatias.

Como é realizado o tratamento e o controle do Diabetes?

Embora atualmente não haja cura, o diabetes pode ser controlado com mudanças no estilo de vida e medicamentos. Uma parte importante do controle do diabetes – bem como da sua saúde geral – é manter um peso saudável por meio de uma dieta saudável e um plano de exercícios:Tratamento não medicamentoso

Tratamento não medicamentoso

Alimentação saudável

A alimentação será baseada em mais frutas, vegetais, proteínas magras e grãos inteiros – alimentos ricos em nutrição e fibras e com baixo teor de gordura e calorias – e reduzir as gorduras saturadas, carboidratos refinados e doces. Atividade Física

Atividade Física

Todo mundo precisa de exercícios aeróbicos regulares, e as pessoas diabéticas não são exceção. O exercício reduz o nível de açúcar no sangue ao mover o açúcar para as células, onde é usado como energia. Os exercícios também aumentam sua sensibilidade à insulina, o que significa que seu corpo precisa de menos insulina para transportar açúcar para as células.

Tratamento Medicamentoso

Diabetes Tipo 1

A insulina é o principal tratamento para o diabetes tipo 1. Ele substitui o hormônio que o corpo não é capaz de produzir.

Existem quatro tipos de insulina mais comumente usados. Elas são diferenciados pela rapidez com que começam a trabalhar e por quanto tempo seus efeitos duram:

  • Ação rápida começa a agir em 15 minutos e seus efeitos duram de 3 a 4 horas.
  • A insulina de ação curta começa a agir em 30 minutos e dura de 6 a 8 horas.
  • A de ação intermediária começa a agir em 1 a 2 horas e dura de 12 a 18 horas.
  • A de ação prolongada começa a funcionar algumas horas após a injeção e dura 24 horas ou mais.
Diabetes tipo 2

O diabetes tipo 2 pode, em alguns casos,  ser controlado  por mudanças no estilo de vida, através de uma alimentação saudável e  atividades física. Eventualmente, pode ser necessário medicamentos para controlar os níveis de glicose.

Idealmente, a glicose sanguínea deve ser mantida em níveis próximos do normal (níveis pré-prandiais de 90-130 mg / dL e níveis de hemoglobina A1C [HbA1c] <7%). No entanto, o foco apenas na glicose não fornece tratamento adequado para pacientes com diabetes mellitus. O tratamento envolve vários objetivos (ou seja, glicemia, lipídios, pressão arterial).

A terapia farmacológica iniciada precocemente está associada à melhora do controle glicêmico e redução das complicações em longo prazo no diabetes tipo 2. As classes de medicamentos usados para o tratamento do diabetes tipo 2 incluem o seguinte:

  • Biguanidas
  • Sulfonilureias
  • Derivados de meglitinida
  • Inibidores de alfa-glucosidase
  • Tiazolidinedionas (TZDs)
  • Agonistas do peptídeo-1 semelhante ao glucagon (GLP-1)
  • Inibidores da dipeptidil peptidase IV (DPP-4)
  • Inibidores seletivos do transportador de glicose-sódio – 2 (SGLT-2)
  • Insulinas

Quais as complicações?

As complicações de longo prazo do diabetes desenvolvem-se progressivamente O risco de complicação está associado com o menor controle glicêmico e o maior tempo de doença. Eventualmente, as complicações do diabetes podem ser incapacitantes ou até mesmo fatais. As possíveis complicações incluem:

Doença cardiovascular

O diabetes aumenta dramaticamente o risco de problemas cardiovasculares e cerebrovasculares. Neles incluímos  doença arterial coronariana, infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral (derrame). Pessoas com diabetes têm até 4 vezes mais probabilidade de sofrer um ataque cardíaco ou derrame. A doença cardiovascular é a principal causa de mortalidade em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Aproximadamente dois terços das pessoas diabéticas morrem de doenças cardíacas ou derrame.

Lesões renais (nefropatia)

Os rins contêm milhões de pequenos aglomerados de vasos sanguíneos (glomérulos) que filtram os resíduos do sangue. O diabetes pode danificar esse delicado sistema de filtragem. Danos graves podem levar à insuficiência renal ou doença renal em estágio terminal irreversível, que pode exigir diálise ou transplante renal.

Lesões oculares (retinopatia) 

O diabetes pode danificar os vasos sanguíneos da retina (retinopatia diabética), podendo levar à cegueira. Ela é a principal causa de cegueira em adultos com idade entre 20 e 70 anos nos Estados Unidos

Além da retinopatia diabética, também aumenta o risco de outras doenças graves da visão, como catarata e glaucoma.

Lesões nervosas (neuropatia) e dos vasos (vasculopatia)

O excesso de açúcar pode danificar as paredes dos minúsculos vasos sanguíneos (capilares) que nutrem os nervos, especialmente nas pernas. Isso pode causar formigamento, dormência, queimação ou dor que geralmente começa nas pontas dos dedos dos pés ou dos dedos e se espalha gradualmente para cima. Se não for tratada, você pode perder toda a sensação de sensibilidade nos membros afetados. 

O diabetes mellitus é uma das principais causas  de amputações não traumáticas de membros inferiores.

Danos aos nervos relacionados à digestão podem causar problemas com náuseas, vômitos, diarréia ou constipação. Para os homens, pode causar disfunção erétil.

Problemas na pele

O diabetes pode deixá-lo mais suscetível a problemas de pele, incluindo infecções bacterianas e fúngicas.

Não deixe de ler também: 

Costocondrite: sintomas causas e tratamento

Causa, diagnóstico, tratamento de costocondrite