Blog

Os efeitos da música na dor: uma meta-análise

De: | Tags: , | Comments: 0 | julho 19th, 2018

Música e dor

O estudo “The Effects of Music on Pain: A Meta-Analysis”, publicado no  Journal of Music Therapy Advance  em outubro de 2016, realizou uma meta-análise sobre o tema  “música e dor”, realizando uma revisão abrangente de diversos estudos a respeito desse tópico nos últimos anos. A seguir realizamos um resumo desse estudo que mostra a influência da música sobre a dor.

Introdução

De acordo com a Associação Internacional para o Estudo da Dor, a dor é descrita como uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a um dano tecidual real ou potencial. Essa definição sugere que o modo como a pessoa entende e usa a palavra “dor ”é influenciada por suas experiências físicas, psicológicas, sociais e culturais associadas a estímulos ou lesões desagradáveis do passado.

A dor pode ser classificada em aguda, crônica ou decorrente de procedimentos médicos. Esta última resulta de danos nos tecidos e / ou nos nervos. A dor súbita, não causada por procedimentos médicos, é chamada de dor aguda, e está frequentemente associada a um evento tratável de que geralmente pode ser tratada em até sete dias. A dor crônica, também conhecida como dor persistente, dura mais do que a duração prevista da cura e ocorre de forma contínua ou intermitente, com ou sem causa conhecida. De acordo com a American Pain Society, a dor relacionada ao câncer é classificada como um subtipo de dor crônica.

A dor desempenha uma função importante na manutenção da saúde e bem-estar. No entanto, muitos doentes em tratamento médico sofrem desnecessariamente de dor aguda ou pós-cirúrgica durante o seu tratamento ou recuperação, e até mesmo de dor crónica prolongada. A dor não tratada pode levar a alterações imunológicas ou neurais associadas a disfunção crônica do trato gastrointestinal e do trato urinário, aumento no débito cardíaco e na produção dos hormônios catabólicos; diminuição na mobilidade e  força,  vários problemas no domínio social, comportamental e psicológico. Devido ao seu impacto negativo em todos os aspectos da vida, a dor pode diminuir significativamente a qualidade de vida de uma pessoa.

Tipos de Intervenções musicais

Intervenções musicais têm sido utilizadas como uma maneira de melhorar a dor e o sofrimento de pacientes com vários problemas médicos. Geralmente, dois tipos principais de intervenções musicais foram implementados: “medicina musical” e “terapia musical”. Medicina musical (MM) refere-se às experiências de audição musical pré-gravadas administradas pela equipe médica. Por outro lado, a terapia musical (TM) é uma intervenção envolvendo uma relação entre cliente e terapeuta, um processo terapêutico com uma experiência musical cuidadosamente planejada.

Para investigar os efeitos da música na dor, muitos estudos clínicos já foram realizados até o momento. No entanto, o grande número de estudos existentes e estudos novos publicados e suas diferenças nos resultados, tornam um desafio para os médicos tomar decisões bem informadas. Revisões sistemáticas podem resolver esse problema sintetizando cuidadosamente os resultados de vários estudos. Uma revisão sistemática é uma síntese rigorosa e abrangente de estudos clínicos, a fim de descobrir evidências confiáveis em uma área específica da prática. Um subconjunto de revisões sistemáticas que utiliza técnicas estatísticas para integrar dados quantitativos de múltiplos estudos é uma meta-análise.

Portanto, a fim de integrar os resultados de inúmeros ensaios clínicos que investigam os efeitos das intervenções musicais sobre a dor, revisões sistemáticas têm sido realizadas com pacientes com câncer, pacientes submetidos à cirurgia, pacientes pediátricos, pacientes com doença cardíaca, pacientes reumatológicos e outros pacientes.

Análise de estudos anteriores

Uma análise crítica dessas revisões sistemáticas mostrou muitos resultados inconsistentes, com substancial heterogeneidade entre os estudos incluídos. A qualidade metodológica dos estudos revisados foi razoável no geral, e muitos estudos omitiram informações essenciais sobre intervenções musicais, o que é essencial para revisões sistemáticas de alta qualidade. Por exemplo, muitos estudos não diferenciaram o tipo de intervenções musicais utilizadas (Medicina Musical ou Terapia Musical), tornando impossível comparar ou contrastar os efeitos entre as duas aplicações clínicas. Além disso, a mais recente meta-análise dedicada exclusivamente aos efeitos da música sobre a dor, analisou estudos publicados entre os anos de 1986 e 2003. Portanto, é necessária uma revisão mais atualizada e abrangente, incluindo todas as populações em diferentes contextos e faixas etárias.

Objetivo

O objetivo deste estudo foi conduzir uma meta-análise rigorosa e abrangente de estudos clínicos, investigando o efeito da música na dor, abrangendo uma ampla gama de diagnósticos médicos, contextos, grupos etários e tipos de dor; comparar os efeitos entre medicina musical e terapia musical; e investigar potenciais variáveis que parecem afetar o resultado.

O estudo procurou responder as seguintes questões de pesquisa:

(a) Quão eficaz é a música na redução da dor para pacientes de todas as idades e populações quando comparada aos cuidados padrão?;

(b) Quão efetiva é a música na redução do uso de analgésicos quando comparada ao tratamento padrão?;

(c) Qual é a eficácia da música no alívio da dor, medida pelos baixos sinais vitais (ou seja, freqüência cardíaca, freqüência respiratória e pressão arterial sistólica e diastólica) quando comparados aos cuidados padrão?;

(d) Existe diferença entre a eficácia da medicina musical e da terapia musical na redução da dor, do uso de analgésicos e dos sinais vitais quando comparada ao tratamento padrão ?;

 

Conclusão

Os resultados dos 97 estudos analisados sugerem que as intervenções musicais em geral têm efeitos benéficos sobre a intensidade da dor, estresse emocional decorrente da dor, uso de anestésicos, agentes opióides e não opióides, frequência cardíaca, pressão arterial sistólica e diastólica e frequência respiratória. Análises adicionais sugerem que MM e TM não apresentam diferença estatisticamente significativa na redução dos níveis de dor; A TM mostrou um efeito clinicamente mais significativo na redução da intensidade da dor auto-avaliada do que na MM; A TM mostrou efeitos clinicamente significativos na dor aguda / pós procedimento e na dor crônica / câncer ; as crianças parecem se beneficiar mais das intervenções musicais do que os adultos.

No entanto, esses resultados precisam ser interpretados com cautela devido aos resultados altamente heterogêneos entre os estudos incluídos. Com base na análise atual, tanto a MT como o MM parecem ser benéficos e podem beneficiar os pacientes de diferentes maneiras: a TM mostrou um impacto clínico maior na intensidade da dor do que no MM; por outro lado, o MM produziu evidências sugerindo uma redução significativa no uso de analgésico, enquanto o TM não o fez. Considerando todos os possíveis benefícios, os dois tipos de intervenções musicais podem fornecer uma abordagem complementar eficaz para o alívio da dor aguda, processual e oncológica / crônica no cenário médico.

 

Não deixe de ler também: 

Avacen 100

 

Dispositivo Avacen 100 para fibromialgia ganha prêmio por inovação

 

Fibromialgia

 

Fibromialgia – sintomas, diagnóstico e tratamento

 

Dieta 1

 

Fibromialgia e Dieta: O que existe de novidade? 

 

A Loyola e Avellar possui profissionais capacitados e tem como objetivo cuidar da saúde e bem-estar de seus pacientes.  Agende sua consulta agora mesmo:  http://loyolaeavellar.com.br/clinica/contato/ ou 41.3076-3054

 

Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca CRM-PR 24-812

 

Dr. Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca – Reumatologista

Compartilhe...

Comentários

comentários