Blog

Fenômeno de Raynaud: sintomas, causas e tratamento

De: | Tags: , , | Comments: 0 | novembro 2nd, 2016

O fenômeno de Raynaud  (FR) é uma resposta vascular exagerada ao frio ou ao estresse caracterizada pela alteração da coloração dos dedos, mais comumente das mãos.  Esta alteração da cor tipicamente é manifestada em três fases, a palidez (dedos brancos), cianose (dedos azuis) e hiperemia (dedos vermelhos).

O FR é considerado primário se os sintomas ocorrem isoladamente, isto é, sem a evidência  de nenhuma doença associada. É conhecido também como  doença de Raynaud. Em contrapartida, o FR é considerado secundário quando está associado a alguma desordem clínica como, por exemplo, o lúpus eritematoso sistêmico (LES) e a esclerose sistêmica.

A prevalência do FR varia de 5 a 17% de acordo a a população estudada. O FR primário não tem predileção por raça, ocorre mais frequentemente em mulheres do que em homens, a idade de maior acometimento é entre os 20 e 30 anos e geralmente existe história na família.  Já o FR secundário apresenta sua epidemiologia de acordo com a doença de base.

Causa

A causa do FR primário continua desconhecida.  Já as causas para o FR secundário podem ser divididas em diversas categorias como:

Ocupacional: Uso de ferramentes vibratórias como martelos pneumáticos e lixadeiras, exposição ao policloreto de vinila

– Desordens autoimunes:  Esclerose sistêmica, LES, doença mista do tecido conjuntivo (DMTC), artrite reumatoide, síndrome de Sjogren, polimiosite e dermatomiosite

– Infecciosa: Hepatite B, hepatite C, infecção pelo micoplasma

– Hematológica: Hemoglobinúria paroxística noturna, policitemia

– Neoplásica: Linfoma, leucemia, mieloma múltiplo, adenocarcinoma de pulmão

– Endocrinológica/Metabólica: Acromegalia, diabetes melitus, feocromocitoma

– Medicamentos:  Contraceptivos orais, bromocriptina, ciclosporina e alguns antineoplásicos

 

Apesar do fenômeno de Raynaud secundário estar relacionado com diversas doenças autoimunes, a associação mais comum é com a esclerose sistêmica (90%dos pacientes) e doença mista do tecido conjuntivo (85% dos pacientes).

 

Sintomas

O fenômeno de Raynaud ocorre mais frequentemente nas mãos, mas os ataques podem acometer os dedos dos pés.  O episódio típico é caracterizado pelo início súbito de dedos frios em associação com alteração da cor bem demarcada, sendo inicialmente a fase de palidez a primeira a ocorrer, seguida pela cianose (coloração azulada dos dedos). Estas duas primeiras fases são decorrentes da diminuição da perfusão (fluxo sanguíneo )  dos dedos. Posteriormente ocorre fase da hiperemia (dedos vermelhos) em que há a reperfusão dos dedos. As três fases ocorrem em 2/3 dos pacientes, mas formas incompletas também podem acontecer  (apenas duas cores).

Os sintomas de formigamento, amortecimento, agulhadas e dor são frequentes e decorrentes da redução do fluxo sanguíneo no local acometido.

Diagnóstico

O diagnóstico do fenômeno de Raynaud é baseado essencialmente na história clínica e nos achados do exame físico. Os exames complementares devem ser solicitados àqueles pacientes em que haja a possibilidade de apresentar uma doença como causa do FR.

Exames laboratoriais específicos para as doenças descritas acimas devem ser coletados na suspeita diagnóstica. A capilaroscopia periungueal  é um exame que fornece bastante dados, principalmente para doenças autoimunes reumatológicas como a esclerose sistêmica.

Algumas pistas clínicas sugerem a presença de FR secundário:

– Início tardio (> 40 anos)

– Ataques assimétricos

– Sintomas prolongados e persistentes

– Presença de úlceras ou cicatrizes

– Presença de sintomas sistêmicos

– Exames laboratoriais alterados

– Alteração na capilaroscopia

 

Tratamento

O tratamento é baseado em medidas não farmacológicas e farmacológicas.

Dentre as medidas não farmacológicas estão as medidas preventivas, como por exemplo,  evitar exposição em lugares frios, manter o corpo bem aquecido, manter as extremidades bem protegidas do frio, evitar o tabagismo, reduzir a ingestão de álcool e evitar medicamentos como descongestionantes nasais, anfetamina, ergotamina,clonidina, entre outros.

O tratamento farmacológico vai depender da gravidade do FR e da etiologia da doença de base, quando esta existir. Os bloqueadores do canal de cálcio (nifedipina, anlodipina e diltiazen) são a classe de medicamentos mais amplamente utilizada. Outros medicamentos que já foram estudados e são empregados no tratamento do FR são a nitroglicerina tópica, análogos da prostaglandina (iloprost), inibidor seletivo da receptação de serotonina (ex. fluoxetina), inibidores da fosfodiesterase (sildenafil, tadalafil),  antagonistas da angiotensina II (ex. losartan).

Todas as informações acima não substituem a consulta médica com um especialista.

 

Não deixe de ler também: 

 

Esclerose Sistêmica: sintomas, diagnóstico e tratamento 

 

 

Terapia de onda de choque acelera a cicatrização de úlceras digitais na esclerose sistêmica, segundo estudo

 

A Loyola e Avellar possui profissionais capacitados e tem como objetivo cuidar da saúde e bem-estar de seus pacientes.  Agende sua consulta agora mesmo:  http://loyolaeavellar.com.br/clinica/contato/ ou 41.3076-3054

Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca CRM-PR 24-812

 

Dr. Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca – Reumatologista

Compartilhe...

Comentários

comentários

Leave a Reply