Blog

A importância do aconselhamento médico para perda de peso nas doenças reumatológicas

De: | Tags: , , , , | Comments: 0 | maio 14th, 2018

Aconselhamento médico para perda de peso entre adultos com artrite e sobrepeso ou obesidade – Estados Unidos, 2002–2014

Nos Estados Unidos, aproximadamente 54 milhões de adultos relatam ter “artrite” diagnosticada pelo médico. Entre os adultos com “artrite”, 32,7% e 38,1% apresentam também sobrepeso e obesidade, respectivamente, sendo a obesidade mais prevalente entre pessoas com “artrite” do que entre aquelas que não apresentam. Além disso, a dor articular grave entre adultos com “artrite” em 2014 foi relatada por 23,5% dos adultos com excesso de peso e 31,7% dos adultos com obesidade. O Colégio Americano de Reumatologia recomenda a perda de peso aos adultos com “artrite” de quadril ou joelho associado ao sobrepeso ou obesidade, o que pode melhorar a função e a mobilidade, reduzindo a dor e a incapacidade.

Adultos com sobrepeso ou obesidade que recebem aconselhamento de perda de peso de um profissional são aproximadamente quatro vezes mais propensos a tentar perder peso do que aqueles que não o recebem. Para estimar as mudanças na prevalência de aconselhamento de um profissional para perda de peso relatada por adultos com “artrite” e sobrepeso ou obesidade, o CDC ( Centro de Controle e Prevenções de Doença dos Estado Unidos) analisou dados do National Health Interview Survey (NHIS).

A Análise

O CDC analisou dados de adultos com idade ≥ 18 anos com “artrite” e sobrepeso ou obesidade do componente “Amostra Adulto” de 2002, 2003, 2006, 2009 e 2014. Ter “artrite” foi definido como uma resposta afirmativa à pergunta “Você já foi informado por um médico ou outro profissional de saúde que você tem artrite, artrite reumatoide, gota ou lúpus ? ” Índice de massa corporal (IMC), definido como peso (kg) dividido pela altura (m2), foi calculado a partir da altura e do peso referidos e categorizados em: normal / baixo peso (<25); excesso de peso (25 a <30); e obesos (≥ 30). A obesidade foi ainda estratificada em três subgrupos de IMC: classe 1 (30 a <35); classe 2 (35 a <40); e a classe 3 (≥40).

O aconselhamento para perda de peso, que fazia parte do conteúdo da pesquisa em 2002, 2003, 2006, 2009 e 2014, foi definido como uma resposta afirmativa à pergunta: “Algum médico ou outro profissional de saúde já sugeriu perder peso para ajudar na artrite ou nos sintomas das articulações? ”

Entre a população adulta dos EUA, 28,3 milhões de pessoas em 2002 e 38,9 milhões em 2014 tinham artrite e sobrepeso ou obesidade. De 2002 a 2014, a prevalência de aconselhamento para perda de peso padronizada por idade entre adultos com artrite e sobrepeso ou obesidade aumentou 10,4 pontos percentuais, de 35,1% para 45,5% , que atingiu a meta de “Helthy People s 2020” de 45,3%. A prevalência aumentou 5,7 pontos percentuais para adultos com artrite e sobrepeso e 12,4% para aqueles com obesidade. Por subgrupo da obesidade, a prevalência aumentou 11,8 pontos percentuais entre as pessoas com obesidade classe 1 e 15,5 pontos percentuais entre aquelas com obesidade classe 3; o aumento entre pessoas com obesidade de classe 2 não foi significativo.

Em 2014, entre adultos com artrite e sobrepeso ou obesidade, a prevalência de aconselhamento para perda de peso por profissionais foi significativamente maior para mulheres (versus homens), aquelas com obesidade (versus sobrepeso) e aquelas que já receberam aconselhamento para se engajar em atividade física para tratar artrite (versus aqueles que não o fizeram).

Discussão

De 2002 a 2014, a porcentagem de adultos com artrite e sobrepeso ou obesidade que relataram receber orientação para perda de peso aumentou em 10,4 pontos percentuais. Essas melhorias são encorajadoras; no entanto, aproximadamente 75% dos adultos com excesso de peso e 50% daqueles com obesidade de classe 1 não estão recebendo aconselhamento sobre perda de peso.

Um relatório recente mostrou que 61,0% dos adultos com artrite receberam aconselhamento de atividade física em 2014, mais do que os 45,5% relatados aqui para perda de peso. Profissionais provavelmente aconselham a atividade física com mais frequência do que a perda de peso, porque os primeiros podem ser mais fáceis de discutir com os pacientes ou estes podem estar mais conscientes dos benefícios específicos da atividade física para a artrite.

Os resultados deste relatório indicam que aqueles que não estão recebendo aconselhamento para perda de peso também podem não estar recebendo aconselhamento para atividades físicas. No entanto, para abordar a obesidade, a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA recomenda que os profissionais forneçam ou encaminhem pacientes a intervenções comportamentais intensivas que incluam estratégias de gerenciamento (por exemplo, estabelecimento de metas), mudanças na dieta e na atividade física, abordando barreiras à mudança, automonitoramento e estratégias para manter comportamentos saudáveis.

O Colégio Americano de Reumatologia também recomenda que os profissionais ofereçam aconselhamento para perda de peso e atividade física a adultos com osteoartrite de quadril ou joelho. Em estudos clínicos randomizados, uma assistência combinada de exercício e dieta resultou em melhora no peso, dor, forças articulares, fatores inflamatórios e mobilidade, em comparação com qualquer assistência isolada. Neste estudo, a porcentagem de adultos com sobrepeso ou obesidade que receberam aconselhamento para perda de peso foi maior entre aqueles que fizeram um curso de educação autogerenciada do que entre aqueles que não fizeram.

É possível que pessoas com artrite que recebem recomendações para comportamentos saudáveis, como perda de peso, sejam mais receptivas a se engajar em outros comportamentos de autogestão, como fazer um curso de autogestão ou participar de atividades físicas. Um benefício da participação no programa educativo de autogestão é o aumento substancial da autoconfiança, que é uma característica importante que pode ajudar os adultos com artrite a agir no aconselhamento para perder peso e ser fisicamente ativos. Aconselhamento combinado para perda de peso, atividade física e educação de autogerenciamento pode melhorar a artrite e outros resultados de saúde.

Estratégias aos profissionais para aumentar o aconselhamento para perda de peso incluem intervenções no sistema de saúde e treinamento do profissional. O apoio à decisão clínica de registro médico eletrônico é eficaz em aumentar o número de aconselhamentos sobre nutrição e atividade física e diminuir o IMC em crianças com obesidade, e estratégias semelhantes podem se traduzir em perda de peso em populações adultas. Também podem auxiliar os profissionais para o aconselhamento e encaminhamento a programas de perda de peso e atividade física baseados em evidências, intervenções multicomponentes intensivas ou especialistas bariátricos, bem como facilitar a educação do paciente e ajudar os profissionais a acompanhar os pacientes com metas de perda de peso e progresso.

O aumento do treinamento dos profissionais em relação às estratégias de apoio ao autogerenciamento pode ajudá-los a adquirir habilidades e confiança para fornecer aconselhamento bem-sucedido sobre perda de peso. Esse treinamento pode incluir instrução formal em sala de aula ou uso de recursos online disponíveis publicamente para aconselhamento de seus pacientes. Muitas estratégias eficazes, incluindo entrevistas motivacionais, a abordagem 5 As (Avaliar, Avisar, Concordar, Assistir e Organizar), enfatizando que pequenas mudanças podem ter um grande impacto, são aplicáveis ao aconselhamento para perda de peso. Por exemplo, além de melhorar a dor e a mobilidade, uma redução de peso relativamente pequena, porém clinicamente significativa, de 5,1% em 20 semanas pode reduzir significativamente a incapacidade funcional em pacientes com osteoartrite do joelho e obesidade.

Conclusão

As conclusões deste relatório estão sujeitas a pelo menos quatro limitações. Em primeiro lugar, os dados do NHIS são autorrelatados e algumas características podem ser suscetíveis ao viés do desejo social. Especificamente, este último pode levar a subestimação do IMC. Em segundo lugar, baixas taxas de resposta também poderiam introduzir viés de resposta; no entanto, os pesos de amostragem aplicados na análise incluem ajuste para não resposta. Terceiro, usar o IMC para classificar os riscos de sobrepeso e obesidade, classificando algumas pessoas com uma alta relação músculo-gordura como tendo sobrepeso ou obesidade, que podem não necessitar de aconselhamento. Finalmente, como os dados de 2014 para aconselhamento de provedor para perda de peso foram os mais recentes disponíveis, a prevalência pode ter mudado desde então.

O aconselhamento do profissional para perda de peso aumentou significativamente entre adultos com artrite e sobrepeso ou obesidade de 2002 a 2014. Continuar esse progresso pode garantir que a maioria dos adultos nessa população receba mensagens importantes que podem aumentar suas tentativas de perder peso. Através de aconselhamento combinado para perda de peso, atividade física e educação de autogerenciamento, e fazendo referências a programas baseados em evidências, os profissionais podem ajudar seus pacientes com artrite a fazer melhorias significativas na qualidade de vida e nos resultados de saúde a longo prazo.

 

Texto publicado pelo Centers for Diesease Control and Prevention

 

Não deixe de ler também: 

 

 

Reumatismo: Entenda o que é

 

 

Um guia completo sobre reumatismo e seus tipos mais comuns 

 

A Loyola e Avellar possui profissionais capacitados e tem como objetivo cuidar da saúde e bem-estar de seus pacientes.  Agende sua consulta agora mesmo:  http://loyolaeavellar.com.br/clinica/contato/ ou 41.3076-3054

Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca CRM-PR 24-812

 

Dr. Marcelo de Loyola e Silva Avellar Fonseca – Reumatologista

Compartilhe...

Comentários

comentários